Oh, Minha Vida

por que tu me abandonaste?

Por que passaste a dizer tudo aquilo que sempre imaginei que aconteceria?

Por que não foste capaz de me surpreender como eu gostaria?

Tornando nula minha sabedoria.

Um lixo de fim de festa,

uma estragada iguaria.

Oh minha vida,

por que tu não me decretaste um ignorante?

Um asno limitado em seus instantes.

Provando-me a minha total incompetência para as coisas,

para os amores, para as feridas,

para as chegadas e para as partidas.

Oh minha vida,

um homem tem o direito de ser errado,

de não compreender o mundo que vê por perto,

pois a tristeza é insuportável,

quando se descobre que estava certo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.