Coleira

Caminhando pela dimensão do inexistente

cheguei a praia dos prazeres perdidos

e nela me vi rendido

por um amor que jamais havia sentido.

Possuidor do nada mais valioso do Universo,

tão simples quanto um verso,  

feito sem pretensões por um poeta irrequieto,

me vi banido de tudo que um dia escolhera

para ser meu berço, minha vida e minha coleira.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.